NOVA e GALP lançam WISE para estimular a inovação em energias sustentáveis – candidaturas abertas!

Para impulsionar mudanças transformadoras no domínio das energias sustentáveis, a Universidade NOVA de Lisboa e a GALP lançam o programa WISE (World-Changing Innovations for Sustainable Energies). Esta iniciativa tem como objetivo acelerar a inovação visionária e abordar desafios complexos na transição para as energias sustentáveis, focando-se especificamente na segunda vida de baterias.

O programa WISE, que irá decorrer de março a junho de 2024, é um sprint de inovação concebido para mergulhar cinco equipas de estudantes da NOVA em desafios do mundo real. Estas equipas trabalharão em conjunto com mentores do ecossistema NOVA e executivos da GALP, para conceber soluções  que possam ter um impacto significativo no panorama energético.

Os alunos irão participar num período de três meses de exploração e inovação intensivas, aplicando metodologias de inovação centradas na vida, colaboração e aprendizagem. O objetivo é promover soluções disruptivas e resultados tangíveis através da criação de uma prova de conceito, protótipos no-fi/low-fi e modelos de negócio.

A equipa vencedora será premiada com bilhetes para a European Innovation Academy, com todas as despesas pagas, além da oportunidade de realizar um job shadowing na GALP. Adicionalmente, cada membro da equipa receberá um LinkedIn Badge.

As candidaturas para o programa WISE já estão abertas e serão aceites até 4 de março de 2024. Os estudantes interessados podem candidatar-se e obter mais informações aqui.

Starters Academy: Aí está mais uma edição da maior e mais antiga academia de empreendedorismo da nova. Inscrições até 2 de fevereiro

Pioneira no incentivo à inovação e ao empreendedorismo da sua comunidade estudantil, a Starters Academy foi concebida para estimular o espírito empreendedor de quem está a estudar, e fornece as ferramentas fundamentais a quem quiser criar uma startup.

Além disso, o programa da Starters Academy é conduzido por um painel de mentores e formadores especializados, reconhecidos na área e que oferecem uma orientação inestimável.

Desde a sua criação, centenas de estudantes beneficiaram desta abordagem prática ao empreendedorismo, e muitos lançaram com sucesso as suas próprias empresas.

Agora, há mais uma janela de oportunidade para quem tiver interesse em desenvolver um projeto já existente ou deseje aprimorar as suas habilidades empreendedoras.

As inscrições devem ser feitas através deste link até dia 2 de fevereiro de 2024  

Programa Circular inNOVA(tion): Segunda Fase!

[et_pb_section fb_built="1" _builder_version="4.23.4" global_colors_info="{}"][et_pb_row _builder_version="4.23.4" background_size="initial" background_position="top_left" background_repeat="repeat" global_colors_info="{}"][et_pb_column type="4_4" _builder_version="4.16" custom_padding="|||" global_colors_info="{}" custom_padding__hover="|||"][et_pb_text _builder_version="4.23.4" background_size="initial" background_position="top_left" background_repeat="repeat" global_colors_info="{}"]

Circular inNOVA(tion) é um programa dedicado a atrair estudantes com projetos inovadores para resolverem desafios específicos colocados pela Sociedade Ponto Verde (SPV).

A iniciativa aborda desafios-chave para a SPV, tais como como criar um sistema justo de pagamento conforme o lixo produzido, estabelecer um sistema de gestão de resíduos "on-demand" e incentivar a sociedade a reduzir resíduos enquanto promove uma melhor separação.

No kick-off da iniciativa, a 17 de novembro, os participantes e a equipa da SPV discutiram as complexidades da gestão de embalagens, foram apresentados os desafios e esclareceram-se dúvidas. As equipas também participaram numa sessão sobre “Como fazer um pitch”, visando cativar o interesse do júri para o potencial das suas ideias e avançarem para a segunda fase.

Foram quatro as equipas selecionadas para a segunda fase, que decorre até março de 2024. Cada equipa para continuar a desenvolver os seus projetos, recebeu 1000€ e conta ainda com workshops em tópicos específicos e mentoria dedicada.

Saiba mais sobre cada um dos projetos e fique atento para mais novidades.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row column_structure="1_2,1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_column type="1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_image src="https://novainnovation.unl.pt/wp-content/uploads/2024/01/1.-smart-recycling.jpg" title_text="NOVA CI" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][/et_pb_image][/et_pb_column][et_pb_column type="1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_text _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"]

A Smart Recycling apresentou o Smart Bin, um contentor centrado no utilizador que incorpora inteligência artificial e um robô delta para uma identificação e separação eficientes de resíduos. Os utilizadores são incentivados através da Smart App, garantindo uma experiência de reciclagem rápida e fiável, ao mesmo tempo que promove a educação e a mudança de comportamento.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row column_structure="1_2,1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_column type="1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_image src="https://novainnovation.unl.pt/wp-content/uploads/2024/01/208-PH-NIMAGENS-nicole_sanchez-1.jpg" title_text="NOVA CI" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][/et_pb_image][/et_pb_column][et_pb_column type="1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_text _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"]

Bin it to win it, que visa estabelecer uma plataforma de reciclagem que monitoriza e celebra conquistas individuais e comunitárias na reciclagem, promovendo práticas sustentáveis e o envolvimento da comunidade na conservação ambiental.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row column_structure="1_2,1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_column type="1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_image src="https://novainnovation.unl.pt/wp-content/uploads/2024/01/198-PH-NIMAGENS-nicole_sanchez.jpg" title_text="NOVA CI" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][/et_pb_image][/et_pb_column][et_pb_column type="1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_text _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"]

A Resíduos na Linha, que visa instalar sensores de massa e volume com tecnologia RFID em contentores de reciclagem existentes. Ao recolher dados individuais de reciclagem, o objetivo é implementar um sistema de pagamento conforme o lixo produzido.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row column_structure="1_2,1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_column type="1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_image src="https://novainnovation.unl.pt/wp-content/uploads/2024/01/195-PH-NIMAGENS-nicole_sanchez.jpg" alt="Trash 4 Goods" title_text="NOVA CI" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][/et_pb_image][/et_pb_column][et_pb_column type="1_2" _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"][et_pb_text _builder_version="4.23.4" _module_preset="default" global_colors_info="{}"]

A equipa da Trash4Goods está a gamificar a reciclagem de resíduos para incentivar a participação dos utilizadores. Fique atento para saber mais sobre como estão a tornar a reciclagem agradável e gratificante, contribuindo para uma economia circular.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Tecnologia da NOVA para o tratamento do cancro licenciada à BioNTech

O acordo anunciado esta semana pela biotecnológica portuguesa CellmAbs, spin-off da Universidade NOVA de Lisboa, inclui tecnologia patenteada que teve origem na Faculdade de Ciências e Tecnologia da NOVA (NOVA FCT), desenvolvida em colaboração com o Instituto Português de Oncologia do Porto (IPO) e o Helmholtz-Zentrum Dresden-Rossendorf (HZDR) na Alemanha. A tecnologia resulta de anos de investigação colaborativa com epicentro no grupo da Professora Paula Videira da NOVA FCT, incluindo contributos do Instituto de Higiene e Medicina Tropical da NOVA, e é representativa da excelência da investigação científica e translacional produzida nesta Universidade. Trata-se do maior acordo de transferência de tecnologia de sempre no campo da biotecnologia e ciências da vida com uma empresa portuguesa e o mais relevante nesta área por poder resultar no primeiro medicamento português inovador para a oncologia a ir para o mercado. No caso, criar anticorpos monoclonais ('mAbs') específicos para células cancerígenas, sem afetar as células saudáveis, representa um avanço fundamental, pois permite tratamentos que atacam a doença de forma mais eficaz e com menos efeitos colaterais, além de serem personalizados, ou seja, adaptados às características individuais do cancro em cada paciente. “Estas terapias, que se mostraram eficazes em mais de 80% dos tumores sólidos, poderão ser adaptadas a vários estádios do tumor; asseguram uma menor toxicidade e um menor risco de quimiorresistência, melhorando a tolerância e a qualidade de vida do paciente; e, ainda, contribuem para impedir a progressão e evasão do tumor”, assegura Nuno Prego Ramos, cofundador e CEO da CellmAbs. Fundada em 2019 como uma spin-off da Universidade NOVA de Lisboa, a CellmAbs especializou-se em novos tratamentos contra o cancro e apresenta, no seu portfólio, vários candidatos pré-clínicos com base no seu conhecimento avançado de antigénios específicos do cancro. É, hoje, um caso de sucesso no domínio da transferência de tecnologia e criação de valor, uma área que a Universidade reforçou estrategicamente nos últimos anos e começa a dar os seus primeiros frutos. “É com um orgulho imenso que vemos uma tecnologia inicialmente desenvolvida num dos centros de investigação da NOVA ter o seu potencial reconhecido com grande probabilidade de vir a salvar vidas, confirmando, na prática, a qualidade da investigação de vanguarda que é feita na Universidade e o impacto que esta pode ter na sociedade”, salienta a vice-reitora Isabel Rocha, que tutela as áreas das investigação e inovação na Universidade NOVA de Lisboa. A CellmAbs está também particularmente otimista em relação a este acordo por se antever que a empresa poderá ser a primeira no setor das ciências da vida em Portugal a ultrapassar a barreira dos mil milhões de euros. Muito recentemente, a mesma CellmAbs foi duplamente distinguida pela Portugal Ventures, pelo trabalho desenvolvido ao longo de 2023.    

A Spin-Off da NOVA CellmAbs foi distinguida pela Portugal Ventures

Lançada formalmente em junho de 2019, a CellmAbs é uma das spin-off oficiais reconhecidas pela NOVA e já angariou uma importante primeira ronda de investimentos que permitirá desenvolver uma nova classe de imunoterapias para tratamentos oncológicos. Todo esse seu investimento foi agora reconhecido pela Portugal Ventures.

“O reconhecimento do trabalho desenvolvido pelas empresas em que investimos é extremamente importante, evidenciando que continuamos a acreditar nos seus negócios, e estimula o restante portefólio para que possam alcançar os seus objetivos.”, refere Rui Ferreira, presidente da Portugal Ventures, a propósito do anúncio destes prémios. “Para nós, trata-se ainda de um agradecimento por nos escolherem como parceiro de investimento, que está presente nos bons e maus momentos, e acredita diariamente no sucesso destas start-ups.”

Ao todo, a Portugal Ventures, Sociedade de Capital de Risco do Grupo Banco Português de Fomento, atribuiu 11 distinções às start-ups do seu portefólio de investimentos por considerar que se destacaram ao longo de todo o ano de 2023 – sendo que duas foram para a spin-off da NOVA CellmAbs.

Prémio Start-up Revelação 2023, por ser a empresa que mais se distinguiu no portfólio de cada unidade de negócio ao longo deste ano, a CellmAbs recebeu ainda o Prémio Startup Tecnologias da Saúde 2023 – que reconhece o seu posicionamento e evolução numa ótica de mercados globais, considerando o produto, as suas competências internas, o progresso para o mercado e a atração de parceiros e investidores.

Para determinar os vencedores desta edição - que pode conhecer na integra aqui  - a Portugal Ventures contou com a colaboração de um conjunto de personalidades que trabalham diariamente no ecossistema empreendedor:  António Grilo, da Agência Nacional de Inovação; Luís Guerreiro, do IAPMEI; Pedro Silveira, da AICEP; Carlos Abade, do Turismo de Portugal; Manuel Caldeira Cabral, da Startup Portugal; Conceição Zagalo, do Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial (GRACE); Cristina Campos, investidora; Marcelo Lebre, da Remote; Isabel Neves, investidora; e Vanda Jesus, da iCapital.

A Comunidade de Investigação Interdisciplinar da NOVA (NIRC) em Sistemas Energéticos Sustentáveis já arrancou! Junte-se a nós até ao final de 2023!

No dia 6 de dezembro, a Universidade NOVA de Lisboa realizou o primeiro workshop da Comunidade de Investigação Interdisciplinar da NOVA (NIRC) em Sistemas Energéticos Sustentáveis.

Este evento marca o início do projeto da Comunidade de Investigação Interdisciplinar da NOVA (NIRC) em Sistemas Energéticos Sustentáveis, sublinhando o compromisso da Universidade em enfrentar os desafios emergentes deste tema.

Organizado pela Divisão de Apoio à Investigação e Inovação da NOVA, o workshop liderado pelo Professor Guilherme Victorino e a sua equipa do NOVA Innovation & Analytics Lab contou com a participação de 24 investigadores de 6 unidades orgânicas da Universidade.

Para promover a colaboração dentro da comunidade NOVA, e a inovação para enfrentar os desafios emergentes em sistemas energéticos sustentáveis, os participantes foram incentivados a formar equipas para desenvolver ideias colaborativas em diferentes áreas do conhecimento.

Destacando a aposta da instituição na investigação interdisciplinar e colaborativa, Isabel Rocha, Vice-Reitora para a Investigação, Inovação e Criação de Valor da NOVA, fez questão de marcar presença, e sublinhou a importância da iniciativa para o futuro da investigação de impacto na universidade.

Cinco destacados membros da Galp, parceira da NOVA nesta NIRC, incluindo João Ribeiro e Manuel Andrade da equipa de Open Innovation, e Inês Marques, Pedro Ferreira e Ioana Ratiu, especialistas Galp nas áreas temáticas do workshop, tiveram um papel fundamental neste evento, apresentando alguns dos desafios energéticos para o futuro, com participação de todos os membros nas rodas de discussão que se seguem às apresentações.

Um segundo workshop já está agendado para o dia 17 de janeiro de 2024, no Laboratório de Inovação & Analytics da NOVA IMS - Campus NOVA Campolide. 

Para saber mais sobre esta comunidade, visite o nosso site

Candidaturas abertas até final de 2023: junte-se a nós e inscreva-se aqui! 

Desafio Narrativas de Impacto: Conheça as Narrativas Vencedoras

Em 2023, a Universidade NOVA de Lisboa lançou o Research Impact Narratives Challenge, convidando professores e investigadores afiliados a qualquer uma das unidades académicas da universidade para traduzirem o impacto dos seus projetos de investigação em narrativas.

Considerando imperativo que a sociedade em geral compreenda e aprecie os resultados das atividades de investigação, e dado que, tanto a nível nacional como europeu, as agências de financiamento da inovação têm dado uma importância crescente à medição do impacto dos projetos em desenvolvimento, este Research Impact Narratives Challenge foi o formato escolhido para que os investigadores da NOVA o pudessem fazer.

Revelados os vencedores no NOVA Science and Innovation Day, os 6 projetos distinguidos são oriundos das mais variadas áreas de investigação:

Catarina Barreira, do Instituto de Estudos Medievais da NOVA FCSH, apresentou uma reflexão sobre os livros litúrgicos produzidos no Mosteiro de Alcobaça. Revelando novos conhecimentos sobre a história, relações e mudanças de rituais naquela que é uma das primeiras fundações monásticas cistercienses edificadas em território português, o projeto visa contribuir para a criação de cursos de formação para guias turísticos e para a valorização das visitas guiadas ao Mosteiro.

Luís Crespo de Andrade, investigador do Centro de Humanidades da NOVA FCSH (CHAM), apresentou uma análise ao Portal Revista Ideias e Culturas (RIC), o qual fornece acesso universal e indexado a revistas influentes do século XX. O RIC tem mais de 100 mil utilizadores e fora já distinguido, no ano passado, no âmbito dos Prémios Ler+, como prova da sua importância na promoção do património cultural moderno e na investigação na área das humanidades.

Maria de Lurdes Rosa, também docente do Instituto de Estudos Medievais da NOVA FCSH, submeteu o projeto “Arquivos Familiares, Arquivos Comunitários”, salientando que, ao contrário da situação na maioria dos países europeus, os arquivos de família em Portugal são pouco descritos e estudados. Considerando que a história sofreu com essa ausência, o trabalho teve impacto imediato na disponibilidade de arquivos preciosos até agora desconhecidos – e ganhou até escala internacional, alcançando mesmo uma bolsa do European Research Council.

Mauro Castelli, investigador da NOVA Information Management School, foi o autor do trabalho “Um sistema de Inteligência Artificial(IA) para deteção e prevenção do vício em jogos de azar online”. Trata-se de um sistema desenvolvido com base em IA para identificar padrões comportamentais comuns entre os jogadores online portugueses, assinalando as ações que podem comportar risco para o utilizador.

Miguel de Castro Neto, atualmente diretor da NOVA Information Management School, apresentou a concurso um trabalho desenvolvido pelo laboratório NOVA Cidade. Denominada Smart Region, trata-se de uma plataforma de análise territorial que visa mudar o paradigma das políticas públicas baseadas em dados. Recorrendo à ciência de dados e aos sistemas de informação geográfica, ali se conta como a Comunidade Intermunicipal do Oeste está já a usufruir dos benefícios de ser uma Smart Region.

Já Tatiana Morais, do Centro de Investigação & Desenvolvimento sobre Direito e Sociedade (CEDIS), da NOVA School of Law, é a autora do trabalho “Contribuir para a melhoria do quadro legal da Violência Sexual e de Género em Portugal”, no qual focou a introdução de legislação no Código de Trabalho português para abordar o assédio sexual no local de trabalho através da adoção de código de conduta – com consequente redefinição do que é crime neste contexto e revelando o impacto positivo nas nas sobreviventes de assédio sexual e violação.

Os trabalhos estão todos publicados com detalhe na revista NOVA Science 2023, que pode ler aqui 

Universidade NOVA de Lisboa no TOP 3 das Universidades Portuguesas mais Empreendedoras

O Portugal’s Entrepreneurial Universities Ranking’23 analisa o desempenho das universidades nacionais na formação de empreendedores, em parceria com a Dealroom e tendo por base o separador "Universidades" no dashboard da Startup Portugal. A avaliação inclui categorias como startups fundadas por alumni, unicórnios ou potenciais unicórnios fundados por alumni, além do número de spin-offs ou financiamento captado pelas startups.

Este ano a Universidade NOVA de Lisboa partilhou o pódio com a Universidade do Porto (#1) e a Universidade Católica (#2). Com base nos números avançados pela Startup Portugal e ajustando o número de fundadores ao universo de estudantes da Universidade, a NOVA sobressai como a universidade pública nacional com melhor rácio de alumni founders.

A NOVA destaca-se também no número de startups com potencial para se tornarem unicórnios e no número de alumni que já levantaram rondas de investimento superiores a 10 milhões de euros – o que é demonstrativo da qualidade da formação da Universidade, em geral, e um reflexo da aposta continuada na formação em empreendedorismo com impacto na sociedade e economia do país.

A Universidade NOVA de Lisboa felicita todas as universidades presentes neste ranking e em particular as que compõem o pódio, e continuará certamente a trabalhar ativamente para formar mais e melhores empreendedores e garantir as condições necessárias para uma efetiva valorização do conhecimento.

Aqua In Silico em destaque no Podcast “90 Segundos de Ciência”

Jorge Santos e a Aqua In Silico (AIS), uma das empresas spin-off da Universidade NOVA de Lisboa, foram os protagonistas do episódio 1666 no podcast “90 Segundos de Ciência”, da Antena 1. Jorge Santos é co-fundador da Aqua In Silico, que usa ferramentas de inteligência artificial para otimizar os processos de tratamento de águas residuais. A startup está a desenvolver soluções abrangentes, baseadas em dados e modelos, para acelerar o desenvolvimento sustentável de instalações de recuperação de recursos hídricos e gestão de resíduos contribuindo para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS #6, #12 e #14). A empresa integra uma equipa multidisciplinar de I&D que desenvolve soluções para ajudar as instalações a: #1 aumentar o desempenho do processo biológico #2 assegurar a conformidade ambiental #3 economizar recursos #4 gerar novos fluxos de receitas a partir da gestão de resíduos #5 apoiar a engenharia de bioprocessos O destaque da Aqua In Silico no podcast é mais um passo na divulgação de soluções inovadoras que têm o potencial de transformar positivamente o cenário global de saneamento. Oiça o episódio completo.

NOVA Science & Innovation Day 2023: “A marca registada da excelência da NOVA em investigação e Inovação”

Na 6ª edição do NOVA Science and Innovation Day, tornou-se incontornável dizer que se trata de um evento que tem vindo a atrair um interesse cada vez maior. “Tornou-se uma marca registada da excelência da NOVA em investigação e inovação”, como salientou o Reitor da NOVA, João Sàágua, no seu discurso de boas-vindas, no início do evento, que decorreu durante todo o dia 21 de novembro – e que pode ler por completo aqui.

“Não haveria ciência e inovação sem cientistas e empreendedores, por isso permitam-me agradecer em especial aos nossos professores, investigadores e outros profissionais talentosos de todas as nossas escolas, pelo trabalho incrível que desenvolvem todos os dias”, sublinhou ainda o Reitor.

Já Isabel Rocha, Vice-reitora que tutela a investigação e inovação na NOVA, fez questão de salientar que, além das publicações, resultantes da investigação, importa ter em conta o seu impacto – e, nesse aspeto, “a NOVA está 30 por cento acima da média internacional”.

Com enfoque particular na interdisciplinaridade e impacto da investigação de excelência feita na NOVA, o programa começou com uma parte dedicada aos investigadores da universidade que mais se destacaram no último ano, tanto ao nível da captação de financiamento como do impacto da investigação realizadae ainda a apresentação e entrega dos prémios aos vencedores do Desafio Narrativas de Impacto na Investigação, que podem ser lidas na também recém-lançada revista NOVA Science.

Já a sessão da tarde, foi dedicada à inovação, com a apresentação de um notável caso de sucesso na transferência do conhecimento científico para a sociedade – o feito extraordinário da BioNTech, aqui contado por Holger Kissel, Senior Vice President of Scientific Relations da empresa, e que mudou para sempre as nossas vidas.

Empresa alemã de biotecnologia criada em 2008 por um casal de cientistas de origem turca, a BioNTech tornou-se famosa em 2020 com o desenvolvimento da vacina contra a Covid-19, em parceria com a Pfizer. A mesma que, em dezembro de 2020, seria a primeira a ser autorizada para uso de emergência, após a fase III dos testes.

Houve ainda tempo para uma mesa-redonda com diferentes representantes do ecossistema de inovação da NOVA e os seus parceiros – ao mesmo tempo que, no átrio do edifício da reitoria, decorria a Feira de Inovação com a presença de diversas tecnologias patenteadas, serviços especializados, CoLabs, Spi-offs e outras empresas do ecossistema da Universidade.

Universidade NOVA de Lisboa marcou presença na Web Summit 2023

Evento internacional reuniu as maiores empresas tecnológicas do mundo, dando destaque à importância da inovação e das start-ups no desenvolvimento da sociedade e da economia. (mais…)

Spin-Off da NOVA é uma das Start-Ups escolhidas para ser financiada pelo altamente competitivo Conselho Europeu de Inovação

Sea4Us, uma empresa de biotecnologia de recursos marinhos, localizada em Sagres, e Spin-off da Nova Medical School, acaba de receber a notícia: foi aprovado um financiamento de 5,96M€, atribuído pelo European Innovation Council (EIC), para avançar com os testes clínicos que vão permitir trazer para o mercado um analgésico inovador.

Trata-se de um não-opioide e de inspiração marinha, com grande eficácia para o tratamento da dor crónica, um problema que afeta 1,6 mil milhões de pessoas em todo o mundo. A terapêutica desenvolvida pela Sea4Us permite eliminar os efeitos secundários dos atuais medicamentos à base de opioides, sem comprometer a sua eficácia.

O Conselho Europeu de Inovação (EIC) é o principal programa de inovação da Europa, para identificar, desenvolver e ampliar tecnologias inovadoras.

Criado no âmbito do programa Horizonte Europa, o EIC tem um orçamento de 10,1 mil milhões de euros para apoiar inovações ao longo de todo o ciclo de vida.

Toda a informação sobre este financiamento aqui 

Programa CaixaImpulse: metade dos projetos portugueses selecionados pela Fundação “la Caixa” são de investigadores da NOVA

Os projetos de Ana Pina, da NOVA FCT, Mónica Serrano, do ITQB NOVA e Maria de Guadalupe Cabral, da NOVA Medical School, foram escolhidos pelo CaixaImpulse,  um programa intensivo de aceleração de 18 meses para a criação de novos produtos e ventures nas áreas da saúde e ciências da vida. Mais especificamente, o Programa CaixaImpulse tem como objetivo apoiar as universidades e projetos de investigação que procuram transferir uma inovação protegida ou com capacidade de ser protegida, da investigação para o mercado, seja como spin-off ou como um transfer agreement, e cujas proposições de valor exigem validação e desenvolvimento. As propostas incluem:
  • o desenvolvimento de biobaterias inspiradas em colágeno como fonte de energia para dispositivos eletrónicos para a pele, caso do projeto conduzido por Ana Pina, e que conta com a participação dos investigadores Felipe Conzuelo (ITQB NOVA), Catarina Baptista e Leonor Morgado da NOVA FCT, e ainda da investigadora Erin Tranfield, do Instituto Gulbenkian de Ciência.
  • uma alternativa mais barata, rápida e versátil à PCR para detecção de patógenos; caso do projeto conduzido por Mónica Serrano, e que resulta da colaboração entre o Laboratório de Desenvolvimento Microbiano, liderado por Adriano Henriques, e o Laboratório de Biologia Molecular de Leveduras, liderado por Catarina Pimentel, também do ITQB NOVA.
  • e ainda a identificação de um novo tipo de biomarcador e alvo terapêutico para combater o cancro da mama, projeto de Maria Guadalupe Cabral, que lidera uma equipa multidisciplinar e inclui as médicas Sofia Braga e Telma Martins, do Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca and CUF Descobertas.

Chatbot da NOVA FCT vence 1º Prémio do Alexa Prize Taskbot Challenge 2 atribuído pela Amazon

Amazon acaba de anunciar os vencedores do desafio Alexa Prize TaskBot Challenge 2, e o resultado não podia ser mais animador, dado que o 1º lugar foi alcançado pela equipa do Departamento de Informática/NOVA LINCS da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade NOVA de Lisboa.

Atribuindo um valor monetário de 500 mil dólares (perto de 475 mil euros), a competição distingue equipas universitárias de todo o mundo que procuram desenvolver soluções para resolver um dos problemas mais difíceis da Inteligência Artificial conversacional: criar experiências que respondam às necessidades dos utilizadores, em constante mudança, enquanto concluem tarefas complexas.

A expectativa é que o TaskBot, agente de conversação da Alexa – a assistente virtual desenvolvida pela Amazon - tenha uma comunicação eficaz e seja capaz de guiar o utilizador na execução de tarefas manuais, desde cozinhar a fazer origamis. Este ano, as equipas concorrentes foram desafiadas a encontrar soluções que incorporem mais recursos visuais em cada conversa.

equipa da NOVA FCT, com o nome de guerra “TWIZ”, desenvolveu uma solução que trabalha em duas frentes, integrando linguagem e vídeo. Por exemplo, o agente pode ensinar um utilizador a completar uma tarefa manual complexa, tais como cozinhar, pintar, arranjar objetos, etc., e ainda dialogar em detalhe sobre as instruções com suporte de vídeo.

Mais informação no site da NOVA FCT.  

NOVA distinguida pela ANI com o prémio de melhor portfólio tecnológico

A Universidade NOVA de Lisboa (NOVA), reconhecida pela sua forte orientação internacional, pela aposta no desenvolvimento sustentável e cultura de investigação colaborativa, foi distinguida por programa de Scouting Tecnológico da ANI (mais…)

NOVA impACT! Challenges 2023 Demo Day revela os projetos vencedores

No dia 14 de julho, ocorreu o aguardado Demo Day dos NOVA impACT! Challenges 2023, um programa inovador criado pelo gabinete NOVA Impact em parceria com o Santander Universidades.  . (mais…)

Circular inNOVA(tion) é a mais recente parceria com a Sociedade Ponto Verde

Universidade alinhada com Agenda da ONU e ODS procura candidatos com as mais inovadoras ideias nas áreas da sustentabilidade, reciclagem e gestão de resíduos. Candidaturas abertas até 16 de setembro de 2023. (mais…)

NOVA e Galp vão desenvolver novas soluções para energias limpas e renováveis

A Universidade NOVA de Lisboa e a Galp vão promover, ao longo dos próximos três anos, o desenvolvimento de novas soluções no domínio das energias limpas e renováveis por alunos, docentes e investigadores reunidos na primeira interdisciplinary community da Universidade, denominada “Zero Carbon Energy”. Através de um protocolo assinado esta quinta-feira pelas duas instituições, a NOVA coloca todo o seu know-how e toda a sua comunidade ao serviço da indústria para encontrar alternativas que possam ajudar a mitigar os efeitos das alterações climáticas, através de um processo de descarbonização, indo ao encontro dos desígnios da União Europeia de atingir a neutralidade carbónica até 2050. Neste domínio serão desenvolvidos projetos de investigação em áreas como Energias Renováveis, Mobilidade e Baterias. Na área da inovação e empreendedorismo a comunidade multidisciplinar de estudantes e investigadores da NOVA será chamada a participar em concursos de ideias, hackathons e no desenvolvimento de provas de conceito, em resposta a desafios lançados pela Galp alinhados com os objetivos de desenvolvimento sustentável. Na cerimónia de assinatura do protocolo estiveram, do lado da NOVA, o Reitor, João Sàágua, e a Vice-Reitora, Isabel Rocha, e, do lado da Galp, o Administrador da área de Renováveis e Novos Negócios, Georgios Papadimitriou, e a Diretora de Inovação, Ana Casaca. Isabel Rocha, Vice-Reitora para a Investigação, Inovação e Criação de Valor, referiu a propósito que “A Sustentabilidade é um dos pilares centrais da NOVA e podermos contribuir com a excelência da nossa investigação para encontrar alternativas mais verdes no domínio da energia é a certeza de estarmos a criar valor para a nossa comunidade. É a hora de agirmos com soluções baseadas na melhor ciência e tecnologia. Esse é também o papel da academia e da NOVA em particular”. Por seu lado, Ana Casaca Diretora de Inovação da Galp, acrescentou que “Metade das tecnologias que nos ajudarão a descarbonizar o mundo e a fazer a transição energética ainda não são conhecidas ou testadas. A colaboração com as universidades e o alargamento do nosso ecossistema de inovação é essencial para que a Galp ultrapasse esses desafios tecnológicos, estando assim mais perto do objetivo de neutralidade carbónica em 2050 e da democratização de soluções energéticas sustentáveis e inclusivas exigidas pela sociedade”. Além das áreas relacionadas com a investigação e a inovação, este protocolo vai permitir o desenvolvimento de iniciativas conjuntas na área de ensino, bem como na promoção de talento e emprego no setor energético.

ColoRIR representam a NOVA no Born from Knowledge – Ideas

No passado dia 10 de Novembro de 2022, decorreu no Porto mais uma edição do programa Born from Knowledge – Ideas (BFK), da ANI (Agência Nacional de Inovação). O BfK Ideas é o concurso que reúne as melhores ideias de negócio “nascidas do conhecimento" científico e/ou tecnológico. A Universidade NOVA de Lisboa, contou com a presença da equipa ColoRIR, formada pelas alunas da ENSP, Andreia Ferreira, Jeanete Calderon e Joana Osório que tiveram a oportunidade de participar no programa de imersão em formato digital em Outubro e ainda do evento final onde apresentaram o seu pitch presencial do projeto no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, na categoria “saúde e bem estar”. Apesar de não ter sido uma das equipas vencedoras, a equipa ColoRIR destaca o processo de aprendizagem e o feedback recebido, no seu testemunho sobre a experiência de participação:
“A experiência foi muito positiva, recebemos feedback muito construtivo e sentimos imenso suporte tanto do nosso mentor como de toda a organização da ANI. Nada disto teria sido possível sem a recomendação do gabinete do NOVA ImpACT que nos tem estado a acompanhar e a incentivar a participarmos em programas que valorizam ideias de negócio inovadoras e as orientam e promovem.".
De recordar que a equipa ColoRIR foi uma das equipas vencedoras dos NOVA impACT Challenges!, iniciativa que decorreu durante 3 semanas em Julho e que promove a aceleração de projetos com base na criação de protótipos.